Quarta, 20 de Janeiro de 2021 13:19
43 9 9937 4574
PALADAR BARBACOA ARGENTINA!

APRENDA JÁ COMO FAZER O TRADICIONAL CHURRASCO ARGENTINO EM CASA

Mas, calma, não é preciso comprar uma passagem para Buenos Aires só para descobrir o que esse churrasco tem de tão bom

04/12/2020 15h49 Atualizada há 1 mês
Por: Nathália Bonhole Fonte: BLOG SANTAMASSA
Confira, agora, todos os passos para fazer o churrasco argentino, desde a seleção da carne até os acompanhamentos típicos e harmonizações
Confira, agora, todos os passos para fazer o churrasco argentino, desde a seleção da carne até os acompanhamentos típicos e harmonizações

 

Ir para a Argentina e não provar o tradicional churrasco argentino é como vir ao Brasil e não comer feijoada. Motivo de orgulho para os argentinos, a diferença principal em relação ao churrasco brasileiro está no método de preparo. Mas possui, também, características muito próprias, que passam bem longe do espeto e, acredite, da cerveja.

Mas, calma, não é preciso comprar uma passagem para Buenos Aires só para descobrir o que esse churrasco tem de tão bom. Isso porque contaremos aqui todos os segredos de como fazer churrasco argentino legítimo, em casa. Acompanhe!

Passo a passo do tradicional churrasco argentino

Confira, agora, todos os passos para fazer o churrasco argentino, desde a seleção da carne até os acompanhamentos típicos e harmonizações.

Escolhendo a carne

Esqueça a picanha, a linguiça e a asinha de frango. Para fazer um autêntico churrasco argentino, dê preferência às carnes e cortes utilizados por nossos hermanos.

Mas como fazer churrasco argentino com carnes brasileiras? Realmente, a carne argentina tem fama de ser uma das melhores do mundo. Mas, atualmente, as encontradas por aqui não deixam a desejar. E para facilitar, listamos abaixo os cortes preferidos pelos argentinos e seus equivalentes brasileiros:

  • bife de chorizo ‒ uma carne muito macia e de pouco marmoreio (gordura entremeada). Tem o sabor reforçado por uma faixa de gordura lateral. É o miolo do contrafilé, também conhecido como New York strip;
  • bife de ancho ‒ retirado da parte dianteira do contrafilé. Seu corte deve ter, no mínimo, 2 cm de espessura. Possui bastante marmoreio, é extremamente macio e suculento. Também conhecido como filé de costela;
  • asado de tira ‒ finas tiras cortadas na transversal da costela bovina. Esse tipo de corte oferece maior quantidade de carne, com o sabor acrescentado pela gordura entremeada e apenas pequenos pedaços de ossos. Dessa forma, não são necessárias horas de cozimento, como os cortes tradicionais brasileiros;
  • vacio ‒ corresponde à fraldinha, mas sem aquela capa de gordura;
  • lomo ‒ nosso filé mignon;
  • colita de cuadril ‒ mesmo corte da maminha.

Preparando a carne

Ao planejar seu churrasco, calcule servir, no mínimo, 500 gramas de carne por pessoa. Mas considere que serão incluídos alguns acompanhamentos.

O churrasco argentino é temperado com sal parrillera — que está entre o sal fino e o grosso. E não há um veredito com relação ao momento certo para temperar a carne. Há quem prefira salgar meia hora antes de colocar na grelha, e quem diga que temperar depois de assada mantém o sabor natural da carne.

Jamais tire a gordura das carnes antes de assar. Ela é responsável por conceder umidade e mais sabor ao churrasco.

Acendendo a churrasqueira

Os argentinos mais tradicionais preferem o uso da lenha na churrasqueira. Se for utilizá-la, evite madeiras resinosas, como o pinho, por exalarem muita fumaça. Do contrário, pode ser utilizado o carvão normal. Calcule um quilo de carvão para cada quilo de carne.

Acenda o fogo em um dos cantos da churrasqueira e espalhe as brasas. Isso permitirá controlar a temperatura e assar diferentes cortes simultaneamente. No momento de assar, não deve haver chamas, somente as brasas cobertas por uma fina camada de cinzas. Saber controlar bem o fogo é um dos principais segredos de um bom churrasco.

O tipo de grelha utilizado no churrasco argentino também é diferenciado. A parrila é uma grelha suspensa, com caneletas inclinadas, que evita que a gordura da carne escorra sobre o carvão e produza labaredas. Ela deve ser posicionada cerca de quinze centímetros da base da churrasqueira.

Para saber se sua churrasqueira está na temperatura ideal para começar a assar, tente manter sua mão próxima à grelha de cinco a dez segundos. Se conseguir por mais tempo, está muito fria e por menos tempo, quente demais.

Assando as carnes

Quando as brasas estiverem na temperatura ideal, é hora de começar a assar as carnes. E a técnica utilizada nessa hora faz toda a diferença.

O objetivo é deixar a carne com aquela casquinha de sabor defumado, característico do churrasco argentino. Para isso, evite movimentar a carne várias vezes na grelha. Ela deve ser virada somente uma vez, para assar correta e igualmente, de ambos os lados. Não corte ou faça furos para verificar o cozimento. Isso deixará a carne ressecada.

O tempo exato para virar a carne depende do tipo de corte e aquecimento da churrasqueira. Fique atento ao cheiro e aparência. Com a prática ficará mais fácil. Mas, para ajudar, veja o tempo médio para os principais cortes, considerando a grelha bem quente e ponto malpassado:

  • bife de chorizo ‒ 7 a 8 minutos de cada lado;
  • asado de tira ‒ 2 a 3 minutos de cada lado;
  • bife de ancho ‒ 5 minutos de cada lado.

Escolhendo os acompanhamentos

Nenhum churrasco está completo sem os devidos acompanhamentos, nem mesmo o argentino. Além do tradicional molho chimichurri, que substitui nosso vinagrete, ofereça alguns dos acompanhamentos mais servidos por lá, como:

  • empanadas;
  • provolone grelhado;
  • batata frita;
  • legumes assados na grelha;
  • saladas.

E dentre os acompanhamentos brasileiros, o pão de alho é o que melhor combina com as carnes e bebidas desse tipo de churrasco. Não deixe de incluí-lo no cardápio.

Harmonizando o churrasco

O churrasco argentino é geralmente acompanhado por um bom vinho. Melhor ainda se for harmonizado corretamente com o tipo de carne servida. Em via de regra, carne vermelha combina com vinho tinto. Mas se quiser uma perfeita harmonia, outros aspectos devem ser considerados.

Carnes mais salgadas, por exemplo, pedem um vinho com menos tanino — responsáveis por aquela sensação de fruta verde na boca. Já as carnes mais gordurosas combinam bem com vinhos mais ácidos e encorpados. Confira algumas dicas de vinhos e os cortes com os quais melhor se harmonizam:

  • tannat ‒ bife de ancho, bife de chorizo, contrafilé;
  • syrah ‒ asado de tira, costela;
  • merlot ‒ vacio, fraldinha, colita de cuadril, maminha;
  • pinot noir ‒ lomo, filé mignon.

Se os acompanhamentos mais leves, como as saladas, forem servidos antes das carnes, podem ser harmonizados com vinhos branco ou rosé.

Você aprendeu a preparar o verdadeiro churrasco argentino, quais são os acompanhamentos característicos e melhores vinhos para harmonização. Agora, é só reunir os amigos e colocar em prática todos os segredos. Afinal, qualquer churrasco, seja argentino ou brasileiro, fica muito melhor em boa companhia.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias