Sexta, 24 de Setembro de 2021 03:35
43 9 9937 4574
Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados

Entidades pedem participação da sociedade na revisão de normas para centros de acolhimento de idosos

Governo reconhece que o número de instituições públicas é insuficiente diante do envelhecimento da população

19/08/2021 16h50
Por: Carlos Roberto Francisquini Fonte: Agência Câmara de Notícias
Dr. Frederico: instituições têm dificuldades de cumprir norma da Anvisa - (Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados)
Dr. Frederico: instituições têm dificuldades de cumprir norma da Anvisa - (Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados)

Participantes de audiência pública sobre a norma que atualizou as regras de funcionamento das Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPIs) reivindicaram uma revisão no conteúdo para melhorar a situação dos locais de acolhimento. Eles defenderam a adequação das regras à realidade das diversas instituições, que têm tamanhos e condições diferentes de atuação. O assunto foi debatido nesta quinta-feira (19) pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa da Câmara dos Deputados.

A norma da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabelece padrões mínimos de organização, recursos humanos, infraestrutura física, alimentação e limpeza, entre outros pontos. As orientações vão desde o desenvolvimento de atividades intergeracionais até o número de cuidadores por grupo de idosos e o espaço para corredores e quartos.

No debate, o presidente da Comissão do Idoso, deputado Dr. Frederico (Patriota-MG), afirmou que várias ILPIs, principalmente as menores, estão com dificuldades de seguir o que determina a Anvisa.

“Recebemos inúmeras manifestações de coordenadores e diretores informando que não estão conseguindo cumprir a resolução, com muita preocupação até sobre quais seriam eventuais punições que essas ILPIs, já tão sofridas, poderiam vir a enfrentar porque não têm condições técnicas e recursos orçamentários para cumprir a norma”, disse.

Risco sanitário
O gerente-geral de Tecnologia em Serviços de Saúde da Anvisa, Guilherme Buss, esclareceu que essa adequação foi apenas na redação das regras, para atender a um decreto de revisão de normas das agências reguladoras.

Ele acrescentou que a revisão do conteúdo da resolução começou neste ano e vai até 2023, com a realização de audiências públicas e outros mecanismos de participação social.

Guilherme Buss: revisão das regras será concluída em 2023
Foto: Reprodução

A preocupação da Anvisa, segundo Guilherme Buss, é manter as exigências para um bom funcionamento. “Se a gente fica abaixo do mínimo necessário, começa a ter problemas grandes com risco sanitário”, afirmou.

Burocracia e falta de recursos
Ariane Angioletti, da Frente Nacional de Fortalecimento dos Conselhos de Direitos dos Idosos, reclamou da burocracia que faz com que uma ILPI tenha de lidar com 43 tipos de documentos para atender à fiscalização. Ela salientou a importância de que os próprios idosos sejam ouvidos sobre as mudanças nas regras.

Ariane Angioletti: os próprios idosos precisam ser ouvidos
Ariane Angioletti: os próprios idosos precisam ser ouvidos - (Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados)

Integrante da Frente Nacional de Fortalecimento às ILPIs, Karla Giacomin também defendeu a participação social na revisão das normas. Ela apontou que as dificuldades das instituições incluem falta de profissionais, baixa remuneração e subfinanciamento.

“De acordo com o Fórum das Instituições Filantrópicas de São Paulo, o cuidado institucional médio custava, em 2019, R$ 4.800 por mês. Isso está bastante distante dos R$ 44 mensais que o Sistema Único de Assistência Social (Suas) aporta no caso de uma pessoa independente ou dos R$ 66 no caso de uma pessoa dependente”, relatou Karla.

Espaço de acolhimento
A deputada Tereza Nelma (PSDB-AL), que coordena um grupo de trabalho sobre as ILPIs, pediu mais contribuição do governo federal às entidades de acolhimento de idosos. Ela lembrou que há vários projetos na Câmara sobre o tema, como o que cria um cadastro nacional de instituições. A parlamentar espera que o foco sobre o assunto leve a uma mudança de status das ILPIs. “Deixar de ser uma instituição que é mais vista como um depósito e virar um espaço saudável, animador, acolhedor, em que os idosos sejam felizes”, resumiu.

Envelhecimento da população
O coordenador-geral de Promoção dos Direitos da Pessoa Idosa do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Renato Gomes, reconheceu que o número de instituições públicas para o acolhimento de idosos é insuficiente diante do envelhecimento acelerado da população.

Ele acrescentou que o financiamento do Estado também precisa aumentar, porque a maioria das ILPIs tem dificuldades de manutenção e depende de doações.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias