Domingo, 09 de Maio de 2021 14:22
43 9 9937 4574
25°

Poucas nuvens

Cambará - PR

Dólar com.

R$ 5,23

Euro

R$ 6,36

Peso Arg.

R$ 0,06

Economia CRISE!

VENDAS NOS SUPERMERCADOS TÊM ALTA DE 5,18% EM FEVEREIRO

Em janeiro, o crescimento havia sido de 12% em relação ao mesmo período do ano passado

14/04/2021 15h12 Atualizada há 3 semanas
Por: Nathália Bonhole Fonte: Noticias ao minuto
'Os próximos meses de março e abril vão dar a gente uma condição melhor para olharmos esse momento e termos a tendência', disse.
'Os próximos meses de março e abril vão dar a gente uma condição melhor para olharmos esse momento e termos a tendência', disse.

 

As vendas em supermercados registraram alta de 5,18% em fevereiro em comparação com o mesmo mês de 2020, segundo o balanço divulgado hoje (14) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em janeiro, o crescimento havia sido de 12% em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Segundo o vice-presidente Administrativo da Abras, Marcio Milan, o resultado menos favorável em fevereiro do que no primeiro mês do ano foi influenciado por fatores como as próprias características do mês, que tem menos dias, e também a renda das famílias na pandemia da covid-19.

“Esse mês de fevereiro foi mais difícil para todos em função do fim do auxílio emergencial”, disse.

O cancelamento do Carnaval foi outro elemento que, de acordo com ele, ajudou a desacelerar o setor.

No entanto, Milan disse que essa variação é esperada no planejamento dos varejistas. Para este ano, a Abras estima um crescimento de 4,5% em comparação com as vendas de 2020.

O retorno do auxílio emergencial na semana passada, será um elemento importante para o desempenho do setor, na avaliação de Milan.

“Os próximos meses de março e abril vão dar a gente uma condição melhor para olharmos esse momento e termos a tendência”, disse.

Ele destacou que, em 2020, cerca de 60% do valor do benefício foi destinado a despesas com alimentação. A proposta de emenda à Constituição que determinou a nova rodada do auxílio prevê R$ 44 bilhões para o pagamento de quatro parcelas para famílias com pouca renda ou em situação vulnerável, com valores entre R$ 150 e R$ 375.

“Nós estamos falando de um valor considerável que o consumidor vai dedicar aos supermercados”, ressaltou o vice-presidente da Abras, ao comentar a injeção de recursos que o benefício deve trazer ao mercado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias