Sábado, 31 de Julho de 2021 10:04
43 9 9937 4574
SAÚDE & BEM ESTAR SAÚDE DOS OLHOS!

OFTALMOLOGIA EM TEMPOS DE COVID

"O oftalmologista convive com diversas doenças oculares infecciosas, que apresentam manifestações em outras partes do organismo", Dra Maria Emilia Haggi Médica

30/04/2021 15h36 Atualizada há 3 meses
Por: Carlos Roberto Francisquini Fonte: Da assessoria
Dra Maria Emilia Haggi Benício - Médica Oftalmologista destaca cuidados
Dra Maria Emilia Haggi Benício - Médica Oftalmologista destaca cuidados

Relatos recentes têm demonstrado a presença do coronavírus na conjuntiva de pacientes internados. A conjuntivite foi reconhecida como um dos sinais que podem ser manifestados na síndrome respiratória aguda grave causada pelo coronavírus. Ainda não é possível saber com exatidão quais são as incidências de conjuntivite em pacientes contaminados, devido aos imensos desafios nessa pandemia sem precedentes. No entanto, mesmo antes de ser declarada a pandemia, as principais associações de oftalmologia, entre elas o Conselho Brasileiro de Oftalmologia e a Academia Americana de Oftalmologia, estavam atentas à disseminação do vírus e às suas repercussões sistêmicas e oculares. Como oftalmologistas, temos que estar alertas à identificação de pacientes com risco de coronavírus para auxiliar os dados de coleta e informação sobre a doença. Além disso, é nosso dever tomar os devidos cuidados para minimizar os efeitos – em todos os aspectos sociais e sanitários – sobre algo extremamente importante: a preservação da visão.

 

O oftalmologista convive com diversas doenças oculares infecciosas, que apresentam manifestações em outras partes do organismo. A ceratoconjuntivite epidêmica, um tipo de conjuntivite que afeta a córnea e a conjuntiva, é a principal causa de conjuntivite infecciosa no mundo. Ela é causada por adenovírus e está frequentemente associada a quadros gripais. Uma das principais características das conjuntivites causadas por vírus é a sua transmissibilidade. Existem diversos surtos históricos no Brasil de conjuntivites que se espalharam de maneira assombrosa por diversos estados. Embora não seja de notificação compulsória, esse comportamento fez com que o oftalmologista já esteja muito familiarizado com as práticas de proteção individual dos pacientes e dos profissionais de saúde.

 

Para evitar a contaminação pelo coronavírus – ou outros agentes patológicos – deve-se redobrar os cuidados com a higienização das mãos e evitar o máximo possível levá-las aos olhos. Óculos devem ser lavados frequentemente com água e detergente neutro. É bom não usar álcool para higienizar esse acessório, pois a composição química do produto pode danificar as lentes e a armação. Quem usa lentes de contato está familiarizado com os cuidados necessários para evitar contaminação, e o líquido usado para higienizar e armazenar as lentes será o suficiente para matar o vírus, caso ele entre em contato com as lentes. Também é importante frisar que não há comprovação científica que lágrimas possam transmitir o vírus.

 

A presença nas redes sociais e dos aplicativos de mensagem fez com que a disseminação de informações sobre a Covid-19 – falsas, verdadeiras, positivas e negativas – tenha ocorrido de maneira vertiginosa.

 

Um exemplo bem contundente é o uso da cloroquina e azitromicina. Os oftalmologistas conhecem há muito tempo os efeitos imunomoduladores destes medicamentos. Conhecem também as doses de segurança e seus efeitos deletérios.

No entanto, sabemos como são importantes os critérios clínicos e científicos rigorosos na abordagem e tratamento de qualquer doença, e reforçamos constantemente a importância da ciência no combate à desinformação.

 

A pandemia marca um momento de transformação. Mesmo fisicamente separados, estamos em um momento em que a união é mais importante do que nunca. Juntos, sairemos mais fortes e mais preparados, apesar das perdas muitas vezes irreparáveis. Temos que nos apoiar nesse momento de crise que afeta a nós e a nossos entes queridos. Isso vale não somente para família e amigos, mas para todos nós, independentemente de fronteiras.

 

 

 

 

 

 

 

 

Dra. Maria Emília Haggi Benício - Médica Oftalmologista - Membro do Corpo Clínico do Hospital de Olhos do Norte Pioneiro - Especialista em Retina e Vítreo - CRM/PR 44.805

Foto: C.Roberto Francisquini

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias