Terça, 22 de Setembro de 2020 07:34
43 9 9937 4574
ARTIGOS ARTIGO

TRAÇOS INCOMUNS EM PESSOAS SUPERDOTADAS

As crianças e adultos que possuem altas habilidades ou características de superdotação têm alguns traços que apresentam em comum

08/07/2020 14h36 Atualizada há 2 meses
Por: Nathália Bonhole Fonte: Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu

O filósofo, neurocientista, jornalista e psicanalista Fabiano de Abreu, membro da Mensa, maior, mais antiga e mais famosa sociedade de alto QI do mundo com sede em Inglaterra, tem vindo a dedicar- se ao estudo das características patentes em pessoas superdotadas ou de altas habilidades, especialmente em crianças. Sendo um assunto que lhe é grato e onde se revê, espera conseguir desmistificar um pouco esta questão e fazer chegar ao entendimento comum alguns traços de personalidade que considera pertinentes.

A principal característica que define as pessoas com superdotação é o seu coeficiente intelectual. Neste caso, se trata das pessoas com um QI superior a 130, desvio padrão 15. Contudo, devemos ter em conta outras características que as pessoas com altas habilidades/superdotação apresentam:

Altas capacidades. Rendimento excepcional, alta capacidade de memória. Outra característica dos superdotados é a sua curiosidade aguçada. Possuem alta capacidade de aprendizagem, se caracterizam por serem originais e criativas, perfeccionistas e detalhistas, Inicia o estudioso.

Para Abreu, "a superdotação é um tema que se insere no alto espectro, é diversificado e não se insere em padrões rígidos. Outro aspecto importante a referir é o facto de uma criança superdotada não ter que possuir necessariamente um nível cognitivo e emocional igualmente desenvolvidos. Um indivíduo pode apresentar-se muito maduro cognitivamente mas emocionalmente não ser tão desenvolvido assim. Ou, mesmo a nível das capacidades ser muito bom em lógica mas não ser tão bom a nível linguístico ou vise-versa.".

No entanto, há padrões que podem ser observados. Existem algumas características que estão presentes na maioria das vezes e que podem ser usadas para criar um padrão de alguém que possuí altas habilidades.

"Por norma são pessoas que se apresentam pela sua precocidade, apresentam características avançadas para a sua idade, mostrando habilidades muito antes do que seria esperado. Outro aspecto interessante que é muitas vezes observado é a forma dedicada como encaram cada tarefa a que se propõe. Há uma necessidade de traçar o seu próprio caminho, ao seu próprio ritmo e tempo. Este tipo de atitude leva a que crie uma autonomia e que prefira estudar ou trabalhar sozinho.", esclarece o neuro filósofo.

Ainda dentro do tema Abreu refere que "Uma outra característica a ter em conta é o elevado grau de observação e percepção tendo capacidade para compreender e entender as nuances. Dentro das suas competências e áreas de estudo têm um olhar clínico e muito crítico.".

Para Fabiano de Abreu, estas pessoas são muitas vezes incompreendidas pois a forma como vêm o mundo e o interpretam diverge dos demais. Combinado destaca o estudioso.

"Uma outra característica relevante prende-se pelo senso de humor que apresentam. É um humor muito refinado e desenvolvido e que muitas vezes apenas é partilhado pelos seus pares que partilham as mesmas características intelectuais. Esta característica tende a criar divergências no grupo por falta de entendimento colectivo.".

Abreu esclarece ainda que pessoas assim têm uma necessidade fundamental de serem testados, colocados à prova. Há uma procura constante de desafios.

"São extremamente exigentes com eles mesmos e apresentam um elevado grau de autocrítica. Exatamente por essa razão o perfeccionismo faz parte das suas vivências e comparam-se constantemente. Todas essas características podem ter também o seu lado negativo se não souberem ser controladas e doseadas.  De outra forma no lado social tende a ser posto em causa.", explica Abreu.

Contudo, há outros aspetos que não associamos logo a alguém com superdotação e que no entanto são muito comuns.

" Há a outra face do espelho e que muitas vezes não é falada. Muitas vezes a criança superdotada vai ter desinteresse pela escola e pelo ensino de métodos regulares. O questionamento é uma constante e de forma muito vincada o que pode levar a problemas de conduta e até de desobediência e indisciplina. Um outro aspeto é a sua vulnerabilidade à crítica procurando muitas vezes conviver com pessoas mais novas quando a sua vontade era procurar as mais velhas. No entanto, com as mais novas foge ao crivo da crítica e dos juízos.", refere Fabiano.

O artigo completo deste estudo será publicado em seu livro lançado ainda este ano com o título; ‘Filosofia Intelectual’ onde Fabiano de Abreu detalha temas relacionados à inteligência.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias